Trainspotting de Iggy Pop: Lust for Life

3

LUST FOR LIFE, Johnny vem pela rua abaixo correndo-, disseram-lhe: escolha um trabalho, uma família, um seguro, uma roupa, um carro, um futuro-, uma vida. Há porquê escolher? Ele deve correr pelas ruas de Edimburgo. Quando “Trainspotting-Sem limites” (Trainspotting, U. K., 1996) foi lançado no Festival de Cinema de Cannes do mesmo ano, na categoria “Um certo olhar” (Un Certain Regard)-, em uma sessão “maldita”, a hora em que foi exibido-, não condizia com o impacto e com a sua qualidade.

Quentin Tarantino havia causado a mesma sensação dois anos antes com “Pulp Fiction: Tempos de Violência” (Pulp Fiction, EUA, 1994), se bem que nunca fui fã de seus filmes-, com uma pequena exceção do seu primeiro longa “Cães de Aluguel” (Reservoir Dogs, EUA, 1992), misture a fase noir de Godard e Scorsese em “Táxi Driver” (EUA, 1976) e voilá-, tem-se Quentin “popiorado”.

“Trainspotting-Sem limites” é uma produção independente escocesa dirigida por Danny Boyle, baseada no romance underground homônimo de Irvine Welsh-, com excelentes atuações dos estreantes atores Ewan MacGregor, Johnny Lee Miller e Kelly MacDonald. O por quê do filme tornar-se um dos mais cultuados da década de 90 do século passado, mesmo mostrando a trajetória de um curto período de vida de um jovem junk? Ele não é moralista boçal como outros filmes da mesma década como “Diário de adolescente” ou “Cristiane F.”.

As questões mostradas no filme não são de caráter moralista, e sim situacional-, há uma correlação entre todos os elementos narrativos e formais. Tem-se um excelente tratamento da Linguagem Cinematográfica com boa Direção e Fotografia-, além da edição. O grande destaque fica por conta da trilha sonora, que tem Iggy Pop como elemento central e divulgador-, tanto que o videoclipe da música “Lust for life” e o trailer dialogam entre si. Putz! A música “Perfect Day” de Lou Reed dá ritmo a melhor cena do filme. Ah! Cansei de escrever. Vou ouvir “TRANSFORMER”, acabara de ver Trainspotting-, agora, escutar "Berlin".


Ficha técnica:
título original:Trainspotting
direção: Danny Boyle
roteiro:John Hodge, baseado em livro de Irvine Welsh
gênero:Drama
duração:96 min
ano de lançamento (U. K.):1996
site oficial:http://www.miramax.com/trainspotting
estúdio:PolyGram Filmed Entertainment / Channel Four Films
distribuidora:Miramax Films / PolyGram Filmed Entertainment
produção:Andrew Macdonald
música:Georges Bizet
fotografia:Brian Tufano
direção de arte:Tracey Gallacher
figurino:Rachael Fleming
edição:Masahiro Hirakubo

Elenco
Ewan McGregor (Mark Renton)
Ewen Bremner (Daniel Murphy)
Kevin McKidd (Tommy MacKenzie)
Robert Carlyle (Francis Begbie)
Kelly MacDonald (Diane)
Peter Mullan (Swanney)
James Cosmo (Sr. Renton)
Eileen Nicholas (Sra. Renton)
Susan Vidler (Allison)
Jonny Lee Miller (Simon David Williamson)
Pauline Lynch (Lizzy)
Trailer
Lou Reed, Perfect Day

3 comentários:

Ju Maffia disse...

Gostei dos comentarios, vale lembrar do 'Requiem para um sonho' que fala de drogas mas é extremamente moralista. Claro que os filmes tem temas diferentes, mas requiem tenta doutrinar o público, diferente de Trainspotting

Breno disse...

concordo com vc Ju, mas gosto mais do Trainspotting, é um bom filme, não que o requin não seja, bemgosto dos dois..hehehehhe

Juliana Maffia disse...

Bom eu na verdade só gosto de Trainspotting.. hahah requiem é filosofia do tio sam demais...